terça-feira, 10 de julho de 2012

ECT conclui licitações de lojas e inicia novo modelo

Por Daniel Rittner | De Brasília



A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) praticamente concluiu o processo de licitação de 818 agências franqueadas, uma pendência que se arrastava há quase dez anos, e deu largada ao novo modelo de funcionamento das lojas. Sete em cada dez unidades - um total de 580 franquias - foram licitadas com sucesso e estão tendo seus contratos assinados. Os Correios ainda esperam melhorar os números finais porque a disputa por 19 agências acabou esbarrando em liminares e depende dos tribunais para chegar ao fim.
Na semana passada, a diretoria da estatal conversou com representantes dos franqueados que venceram as licitações e apresentou um "plano de transição", com prazo de até 12 meses para sua implantação. As lojas submetidas ao novo regime de funcionamento - chamadas de AGFs (agências franqueadas dos Correios) - e que já assinaram contrato terão esse período para adaptar-se e cumprir requisitos mínimos de operação, como o uso de sistema próprio de automação, treinamento de empregados pela ECT e imóveis compatíveis com o volume de guichês para atendimento ao público.
"Isso é um marco para os Correios", afirma a vice-presidente de rede e relacionamento com os clientes da estatal, Glória Guimarães. Ela considera que a "legalização do modelo de franquias", alvo de questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) e cujos contratos foram seguidamente prorrogados ao longo da última década, é o principal saldo positivo do processo. A licitação que se encerra agora foi lançada em dezembro do ano passado.
No entanto, a associação que reúne os franqueados no país ainda guarda preocupações. Segundo a Abrapost, muitas agências encontram dificuldades em apresentar documentos exigidos pelos Correios, como a titularidade do imóvel em que a loja funcionará. Isso ocorre em cidades do Distrito Federal e do Rio Grande do Sul, por exemplo, onde essas comprovações enfrentam dificuldades com a falta regularização fundiária e impedem os franqueados de entregar à estatal tudo o que ela pede.
"Reconhecemos o esforço inequívoco que a atual administração está fazendo para resolver as pendências das franquias, mas não deixamos de colocar problemas que nos preocupam", diz o advogado da Abrapost, Marco Aurélio de Carvalho. Ele menciona outro obstáculo: em muitas cidades históricas, em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, tem sido impossível cumprir exigências para as futuras instalações - como altura do pé-direito - devido ao tombamento.
Além das agências licitadas com sucesso, que chegam a 71% das franquias em disputa, 194 lojas não tiveram interessados e outras 25 unidades receberam propostas que não atendiam aos requisitos mínimos do edital. A Abrapost afirma que, na região Nordeste, cerca de metade das agências teve licitação fracassada. Os casos mais graves são o de Alagoas e da Bahia, segundo a associação. Por isso, ela pede à estatal que prorrogue o prazo para a saída dos atuais franqueados que não venceram a licitação e não estão sendo substituídos. A Lei 12.400, em vigência desde 2011, determina à ECT concluir os contratos até o dia 30 de setembro.
"Vamos garantir que a população continue sendo plenamente atendida", diz Glória Guimarães, dando ênfase ao cumprimento do prazo e esclarecendo que os Correios elaboraram um plano de contingência. Parte das lojas será assumida como rede própria da estatal. "Temos alternativas para não deixarmos os clientes desprovidos de atendimento", completa a vice-presidente.
As agências franqueadas, que hoje predominam na rede dos centros urbanos, foram instituídas nos anos 90 por meio de autorizações e hoje correspondem a cerca de 40% do faturamento total dos Correios. Sem as providências para fazer uma licitação das franquias até 2002, como determinou a lei que incluiu os serviços postais no rol de atividades públicas sujeitas ao regime de concessão ou de permissão, o governo prorrogou a validade dos contratos até 2007. O TCU entrou nas discussões e argumentou que essa prorrogação era ilegal.
Em 2009, a estatal conseguiu licitar e assinar contratos novos para 550 agências franqueadas, mas uma enxurrada de liminares judiciais interrompeu o processo e houve mais duas prorrogações.
Na licitação atual, os empresários se queixam da redução das comissões pagas aos franqueados para os serviços de mala-direta. Eles também reclamam do prazo para ter retorno do investimento necessário no negócio, além do alto custo para a montagem da infraestrutura das lojas.
A ECT diz que o investimento varia conforme o porte da agência franqueada e vai de R$ 90 mil a R$ 270 mil, dependendo do número de guichês de atendimento - entre um e seis. Os novos contratos terão validade de dez anos, podendo ser prorrogados por mais dez.
Fonte: Valor Econômico



35 comentários:

  1. Pelo resultado que aqui se apresenta, pode-se afirmar que definitivamente n]ap é um bom negócio esta tal de AGF. Os números não mentem

    ResponderExcluir
  2. Espertinha esta mulher heim???? Esta migração ela ofereceu para resolver um problema dela, e a gente que se dane!!! Por cima de mim não...

    ResponderExcluir
  3. uahuahuahuahuahuah, ela de novo!!! Vamos pra cima!!!

    ResponderExcluir
  4. Quero ver ela fazer eu virar AGF dia 01/10. Tenho sentença julgada que só fecho quando tiver uma AGF no lugar da minha ACF, e estou com o edital suspenso!!!!

    ResponderExcluir
  5. É só encontrarmos um juiz bom e envolvermos o Ministério Publico que esta palhaçada vai por água abaixo. Isto é de uma tremenda ilegalidade!!!

    ResponderExcluir
  6. Agora não adianta reclamar... Eu desde o começo falava aqui que isso não ia dar certo...

    ResponderExcluir
  7. Interessante este blog: eu tbem sou/fui contra o ediatl nos moldes que se apresentou, desde o inicio; critiquei lealmente- sem deixar de reconhece muitos esforços- o papel da Abrapost. Todos que aqui que se manifestam, na quase totalidade, me parecem contra. E por que o Brasil todo resolveu licitar ? Parece que estamos vendando picolé no deserto, pois o tal debate aqui proposto não existe. Enfim...

    Quanto a migração referente ao plano, não entendi a crítica dos colegas; onde há incoerencia ou má-fé no que foi proposto pela ECT ?

    Má fé eu quero ver é todo MES DE janeiro de um ano que irá começar e a ECT disser assim: ESSE CLIENTE ??? É ESTRATÉTICO, É MEUUUU...ESSE OUTRO AQUI ??? MUITISSIMO ESTRATEGICO...TBEM É MEU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, infelizmente eles agem dessa forma, porem a nossa ABRAPOST deve estar sempre atenda esses detalhes e procurar fazer com que ECT deixe de ser Policia e faça apenas o papel Franqueador, com treinamento, orientação, ect...uma coisa é certa, veja o que eles estão divulgando internamente aos seus empregados:

      "Nova rede de franquias a partir de outubro - Sistema de automação de atendimento online com os Correios, imóveis compatíveis com a
      quantidade de guichês, mobiliários e equipamentos adequados são algumas das condições mínimas a serem cumpridas por todas as agências da nova rede franqueada, licitada pela ECT. Estas terão até 12 meses,
      a partir da assinatura do contrato, para se adaptarem ao novo modelo.

      Benefícios para a sociedade - a estrutura da rede aprovada trouxe segurança jurídica aos parceiros franqueados e melhor controle na
      operacionalização dos serviços postais. A iniciativa vai ao encontro das políticas de modernização dos Correios, como a de promover a universalização e melhoria do atendimento ao público.

      As franquias são parceiras importantes no trabalho da ECT, que tem
      conduzido a implantação do novo modelo de forma transparente e participativa. Esse tipo de agência representa 8% de toda rede de
      atendimento e está presente em 417 municípios do País".

      Comento: Estamos com a bola toda.

      Excluir
  8. Caros Colegas,
    a ECT esta impondo o uso do SARA que somente funciona com Windows XP. Este programa, já foi informado pela Microsoft,que terra sua atualização descontinuada em 2013. Atualmente não se encontra mais para ser comprado e estamos sendo obrigados pela ECT comprar programas piratas. Sera que a Microsoft tem consciencia desta postura da ECT? Será que todas as agências da ECT utilizam programas originais? Atualmente quando a ECT inaugura uma agência nova será que ela compra licenças de quem?
    Acho interessante saber se a Microsoft sabe de tudo isso.

    ResponderExcluir
  9. AGORA NOS CHAMARAM PARA BRIGA...... MP NELES JÁ!!!!! ESSA PALHAÇADA TEM QUE ACABAR!!!

    ResponderExcluir
  10. Acorda gente, se entrarmos nessa, deixaremos de trabalhar como ACF mais 12 meses. Vocês não tem a minima ideia do que é ser uma AGF. Procurem saber...

    ResponderExcluir
  11. ACORDA GENTE, CADA PASSO QUE A ECT DÁ, MAIS FICAMOS COM A GUARDA ABERTA, LOGO SERÁ NOCAUTE. HÁ MUITO TEMPO ATRÁS UMA PESSOA FALOU A REDE, QUE QUEM NÃO ESTIVE-SE SATISFEITO QUE FOÇE VENDER PASTEL, LOGO ESTAREMOS ESCUTANDO ISTO DE NOVO.

    ResponderExcluir
  12. entre os dias 1/6/2012 e 31/7/2012 esta sendo realizada em todo o país a Pesquisa de Imagem e Satisfação – 2012. Neste trabalho, serão pesquisados diversos atributos referentes às atividades de ATENTIMENTO e DISTRIBUIÇÃO, além de atributos relacionados com a Imagem dos Correios.

    A pesquisa será realizada por pesquisadores (devidamente identificados com crachá) da empresa Grupo Mercadológica, que realizarão entrevistas em várias Agências próprias,FRANQUEADAS e em domicílios situados em 197 municípios, mediante aplicação de dois questionários distintos, conforme o público a que se destina.

    Para fins de controle da execução do campo, será necessário que o Gerente da agência ou eventual (supervisor, tesoureiro, etc.) assine a folha de rosto que compõe a relação de questionários aplicados, confirmando a realização da pesquisa naquela unidade.

    Comento: Assinar por que? bem vamos pensar juntos, qdo a pesquisa estiver relacionada aos endereços franqueados e seus resultados forem muito negativos porem verdadeiros, simples "descartamos" naquilo que se diz unidades próprias, jamais algum gerente vai dizer de fato a verdade, simples "Receio"

    ResponderExcluir
  13. A 4ª Turma do TRT/RJ manteve a condenação imposta à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos a pagar R$10 mil por dano moral a uma empregada que teve a agência onde trabalhava assaltada durante o expediente. Em função do incidente, ocorrido em 2011 numa agência de Campos dos Goytacazes que funciona como Banco Postal, a atendente comercial foi diagnosticada com quadro depressivo grave.

    Na ação trabalhista – que foi julgada procedente pela juíza Elizangela Figueiredo da Silva, da 1ª Vara de Campos – a reclamante destacou que este foi o quarto assalto à mão armada ocorrido na agência do Banco Postal sem que a empresa tenha tomado providências quanto à segurança de seus clientes e empregados, ressaltando que a legislação, através da Lei 7.102/83, estabelece normas sobre parceria bancária, aplicável ao caso tendo em vista que os Correios estavam localizados dentro de uma agência de instituição financeira.

    Em defesa, a reclamada alegou que recebe o pagamento de contas, mas em momento algum passou a ser instituição financeira, não se aplicando a Lei 7.102/83. Afirmou também que na agência onde a funcionária trabalha existe alarme e cofre, destacando que proporcionou segurança mas que não poderia prever evento de força maior como o que ocorreu, não agindo com culpa ou qualquer evento que configure o nexo causal ensejador da indenização.

    ResponderExcluir
  14. 16/07/2012 | 00:00-MANDOU CHEGOU!!!
    Caixa de Pandora: propina chegou até por Sedex

    O processo da Operação Caixa de Pandora, ocorrida em 2009, contém revelações curiosas. Um mês antes da ação da Policia Federal, por exemplo, o Ministério Público Federal interceptou um pacote com R$ 63 mil, em dinheiro vivo, que, segundo o operador do esquema e delator Durval Barbosa foram enviados por Sedex pela CTIS, empresa de informática do DF. Ninguém da CTIS aparece nos vídeos de Durval.


    16/07/2012 | 00:00
    Desistência

    O delator declarou à PF, em depoimento, que o dinheiro enviado por Sedex era para Arruda outras pessoas, mas que desistiu de entregá-lo.

    16/07/2012 | 00:00
    Mandou, chegou

    O pacote de R$ 63 mil que chegou por Sedex foi entregue à promotora de Justiça Alessandra Queiroga, que já investigava o esquema.

    ResponderExcluir
  15. A empresa acima citada, CTIS, é a terceirizada que toma conta de parte da TI dos Correios. O suporte do sistema Scada (e talvez o SARA, não sei)é (ou era) resolvido com eles. Hummmmm...cheiro de mer_a

    ResponderExcluir
  16. Os Correios, que estão na origem da crise do mensalão, continuam a casa da mãe joana. Ou: O caso Bacelar
    Por Paulo César Pereira, no hGlobo:
    Além de ter negociado emendas ao Orçamento da União, o deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA) controlava os Correios no seu estado e, segundo relatou sua ex-mulher Isabela Suarez em conversa gravada, teria tentado conseguir vantagens em uma licitação de agências da estatal.
    Na gravação, Isabela afirma que Bacelar desejava comprar agências dos Correios e, para isso, contaria com a ajuda do então diretor da empresa no estado, Jackson Jaques, que havia sido indicado por ele para o cargo. A tarefa de seu nomeado seria informar as agências mais lucrativas para Bacelar investir:
    “O superintendente do Correio era indicação do João. Na época, o Correio de fato licitou algumas agências para serem compradas. Como a superintendência era indicação dele, o cara chegaria e facilitaria, apresentaria “essas são as que rendem mais, então entre na licitação nessas e nessas aqui”, afirmou Isabela.
    A ex-mulher de Bacelar, na conversa, considera a iniciativa do deputado normal, a partir do momento em que a indicação política do diretor dos Correios foi entregue ao partido do deputado: “Não tinha nada errado. Sim, é um favorecimento para indicar quais agências que vendem mais. Isso aí tem como você pesquisar sem precisar de favorecimento. E é normal, cada segmento ser controlado por um partido, não tem nada demais.”
    Na conversa com Lílian, uma irmã de Bacelar, Isabela Suarez dá a entender, no entanto, que o parlamentar não teria concluído a operação de compra das agências. O motivo seria a perda do cargo na estatal para um grupo comandado pelo deputado federal Zezéu Ribeiro (PT-BA), apontado como patrono da indicação do atual diretor dos Correios na Bahia, Claudio Moras Garcia. Bacelar havia garantido a indicação para o cargo em 2009, como compensação por ter sido preterido na disputa pela indicação do diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) na Bahia.

    Troca de diretor dos Correios teve ameaças
    A troca de Jackson por Garcia, em junho do ano passado, provocou uma grave troca de ameaças. Na época, foi veiculado na Bahia que Bacelar procurou o presidente nacional dos Correios, Wagner Pinheiro, e ameaçou retaliar pedindo uma investigação na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara sobre a atuação dele quando presidia a Petros, fundo de pensão da Petrobras. Garcia, no entanto, foi mantido no cargo.
    (…)Reinaldo Azevedo- Veja

    ResponderExcluir
  17. Quem explica o mistério em Minas Gerais? Inauguraram a AGF nº 100. Por que a licitação correu tão rápido por aquelas bandas? É o estado mais avançado nesse processo. Será que as Minas Gerais estão vendo alguma coisa neste modelo de AGF que o resto do país não enxerga?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem misterio algum, MG participou do edital de 2009, na realidade eles foram espertos, arrastaram até agora a inauguração, assim faturaram como ACF até agora e puderam pagar o dinheiro que buscaram no mercado com dinheiro bom, entendeu? Em MG tem franqueados que assinaram o contrato em 2010, mais de dois anos se passaram!!!

      Excluir
    2. Pois é colega, os mineiros foram espertos e a VIREL está querendo que nós sejamos otários assinando este termo aditivo de migração ACF/AGF. Eu tenho a Ação de não fechar ACF enquanto não tiver uma AGF,como muitos, mas tem também muitos que não tem. Sejam espertos como foram MG, GO e SC.

      Excluir
    3. "espertos" ??? Esperteza agora ganhou novo significado ???

      Excluir
    4. Ainda não entendi! Se participaram do edital de 2009, demoraram 2 anos para inaugurar! Na época, o período para adaptação do imóvel era de 3 meses, que só depois foi mudado pela lei 12400 para 12 meses. Continua estranho, não?

      Excluir
    5. "Arrastaram até agora a inauguração"? pensei que tivessem prazos a ser cumprido tanto pela lei como pelo edital. Que artifício legal usaram pra "arrastar"? Ou só na conversa com a ECT resolve? o colega tem razão, tem mistério aí.

      Excluir
    6. Todos eles tem liminares e setenças para não virarem AGFs

      Excluir
    7. Liminar para não virar AGF? Mas eles não queriam virar AGF? Tanto que é que estão quase todos "virados"

      Excluir
    8. posso garantir que a pressao foi muito pesada para assinarem e agora muitas já vão fechar em setembro,mesmo tendo ganho a licitação.Por isso quem ainda não assinou , um conselho de quem já passou por td isso : NÃO ASSINEM NADA. Briguem muito ....

      Excluir
    9. Interessante como houve uma "mudança" na avaliação de posições tomadas ; isso, claro, de acordo com a moral de ocasião.
      Aqui ja usaram de forma "carinhosa" o termo esperto, para o pessoal de MG, das ACFs.
      Quando MG, SC, RJ resolveram licitar em 2009/2010 quase apanharam, literalmente, em reuniões da Abrapost; hoje são vistos como espertos por aqueles mesmos que os condenaram

      Excluir
    10. Vão fechar em setembro porque? não entendi.

      Excluir
  18. terça-feira, 3 de julho de 2012
    Correios adquire infraestrutura das concorrentes para virar operadora de celular
    Presidente da estatal vai definir a aquisição até o final do ano para levar telefonia a cerca de 25 milhões de pessoas em 2013

    Os Correios vão aumentar a lista de operadoras de telefonia móvel no país em 2013. O presidente da companhia pública, Wagner Pinheiro de Oliveira, confirmou com exclusividade ao Brasil Econômico que já está em contato com as empresas do setor para “alugar” infraestrutura e iniciar os negócios em busca dos 25 milhões de brasileiros que ainda não possuem celular.

    O formato proposto pelos Correios para sair das cartas e chegar aos celulares é conhecido como MVNO, sigla em inglês para operadora móvel virtual. Funciona assim: os Correios “compram” no atacado a rede ociosa de operadoras de celular, como Vivo, Claro, Oi e Tim, e a vendem no varejo para seus clientes.

    “Esse modelo já é usado pelos Correios da Itália e de Portugal e faz muito sucesso. Estamos agregando valor à marca e vamos contribuir com a inclusão digital”, disse Oliveira.

    Segundo o executivo, a aquisição da infraestrutura será definida por meio de um chamamento público, que deve acontecer até o final do ano.

    “Estamos adiantados nesse processo. O modelo pioneiro vai permitir oferecer tarifas menores aos consumidores porque não vamos investir em infraestrutura de rede, ao contrário das operadoras tradicionais”.

    Visite o Diário do Ecetista no Twitter e também Facebook

    Oliveira quer aproveitar o alcance dos Correios para viabilizar a comunicação aos brasileiros. Atualmente a empresa entrega 35 milhões de objetos por dia, 9 bilhões por ano, e detém 30% do mercado de entrega de encomendas no Brasil. “Até o fim do ano todos os municípios brasileiros terão agências dos Correios. Ainda faltam cerca de 30 localidades”, contabiliza.

    Os Correios devem encerrar o ano com 10% de alta no faturamento. Em 2011, a empresa teve receita de R$ 13,2 bilhões. Oliveira afirma que o crescimento deve ser acelerado nos próximos anos, em decorrência dos novos negócios da companhia, como o Banco Postal e o projeto de telefonia móvel.

    Falar no celular usando a marca dos Correios só é uma ideia possível porque em abril de 2011 a presidente Dilma Rousseff assinou uma medida provisória que reformou o estatuto dos Correios e permitiu que a empresa ampliasse seus negócios.

    Além dos celulares, a companhia também está autorizada a ter uma frota de aviões própria para o transporte de carga e a investir na construção do trem-bala.

    Na última semana, os Correios receberam autorização para contratar 9,9 mil funcionários até 2013. Este mês, 3,3 mil devem ser chamados para compor o time atual de 117 mil pessoas

    ResponderExcluir
  19. ‘Negócio errado no Dnit vai dar merda', diz Valdemar Costa Neto

    Jaílton de Carvalho, O Globo

    Numa conversa gravada pela Polícia Federal, o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) fala com o ex-presidente da Valec José Francisco das Neves, o Juquinha, sobre um "negócio errado" no Dnit (Departamento Nacional de
    Infraestrutura de Transportes), que será mantido em segredo.
    Valdemar diz que o problema, um contrato entre os Correios e o DNIT, "vai dar merda". O diálogo foi interceptado em 8 de dezembro do ano passado, ou seja, depois da faxina da presidente Dilma Roussef no Ministério dos Transportes, controlado pelo partido de Valdemar.
    Leia mais em ‘Negócio errado no Dnit vai dar merda', diz Valdemar Costa Neto
    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/?palavra=correios

    ResponderExcluir
  20. a alternativa que acharam aqui na minha cidade, já que desisti de ser AGF é aumentar mais dois guiches na agencia central e assim suprir a necessidade dos clientes. Só que a fila vai continuar pois o SARA é lento e sempre sai fora do ar. Sem contar que tenho 90 cx postais alugadas e els nao tem espaço....brincadeira esta ECT...nao ta nem ai para os clientes, vai ser infernal pois a maioroia dos meus clientes já estao procurando outras alternativas ...a cidade vai ficar complicada.

    ResponderExcluir
  21. TERMO ADITIVO PLANO DE MIGRAÇÃO ACF>AGF/SPM/FORUM
    Ainda acredito que existam algumas duvidas na minuta do TAPM.

    > Remuneração como fica?

    > Montou PAT perde cliente com vinculação e qto as atividades operacionais que o cliente necessita, serão realizadas pelas unidades proprias da ECT? tais como:Coleta,triagem,exepedição ect..??

    >No caso MDP/IE como fica no periodo de migração??

    >Gastos adcionais e perda de faturamento nos casos de implatação do PAT;

    >Aquisição de Móveis/Equipamentos p/ uso temporário de no maximo 1ano

    >Pagamento da TX de Franquia no valor total previsto apos a emissão do TCCM> por que não dividir?

    ResponderExcluir
  22. o PLANO da ECT qd minha ACF fechar em setembro e colocar mais dois guiches na agencia central e tentar atender os clientes .So que nao tem espaco, nao tem funcionario nem estrutura.Imagino como vai ficar o atendimento por la..ja era ruim, em setembro vai ser uma confusao geral.Sem contar onde colocar mais 80 cxs postais que existem na ACF. E a pressao agora est[a maior pois a UD fica no mesmo espaco q o atendimento e na cidade NAO existe um predio que atenda as necessidades que a ECT exige.

    ResponderExcluir
  23. E DA-LHE SARA..E OUTRAS COISAS MAIS.

    TCU detecta falhas no ERP e na segurança da informação dos Correios

    :: Ana Paula Lobo*
    :: Convergência Digital :: 25/07/2012

    A área de Tecnologia da Informação das estatais do governo passa por momentos críticos, segundo relatório do Tribunal de Contas da União, divulgado nesta terça-feira, 24/07. No caso da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, o TCU exige que a companhia aprove formalmente uma política de segurança de informação para o sistema integrado de gestão interna da empresa. E recomenda: é hora de melhorar a governança de TI.

    A fiscalização do TCU detectou, por exemplo, "a existência de contas impessoais, com provável compartilhamento de contas de usuários, o que abre brechas perigosas no quesito de segurança". Segundo o relatório do TCU, essas contas não identificam usuários, mas, sim, áreas da estrutura organizacional da ECT.

    "Além disso, por vezes, mais de uma pessoa compartilha um único login e senha de acesso ao sistema ERP, não seguindo o disposto na NBR 27.002:2005, item 11.3.1, letra “h”", constata o relatório, do ministro Walton Alencar Rodrigues. O levantamento apurou ainda "a ausência de processo de remoção ou bloqueio imediato dos direitos de acesso de usuários que mudaram de lotação, cargo ou função", razão que pode levar a vazamento de informações críticas dos Correios e do Governo.

    Na parte de ERP - pacote de gestão empresarial - os Correios usam sistema da Oracle, o TCU adverte que o sistema da ECT não implementa controles internos que deveriam estar implementados, tais como: listas de verificação para cada artefato (projeto básico, edital, contrato) produzido no processo de aquisições; memorial de cálculo das estimativas de quantidade dos itens a contratar; revisão dos artefatos por usuário sênior; bloqueio de casos de violação de segregação de funções; registro das interações realizadas com os fornecedores durante o processo licitatório; e controles sobre prazos legais aplicáveis.

    Também recomendou a adaptação do sistema aos manuais de boas práticas de ambientes integrados de gestão, o Control Objectives for Information and Related Technology (Cobit) e às normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), principalmente no que se refere à segurança da informação e organização formal dos funcionários na área de tecnologia da informação. Leia a íntegra da decisão do TCU: http://http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/imprensa/noticias/noticias_arquivos/Relat%C3%B3rioCorreios.pdfhttp://http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/imprensa/noticias/noticias_arquivos/Relat%C3%B3rioCorreios.pdf


    *Com informações do TCU

    ResponderExcluir
  24. Não adianta chorarmos o leite derramado, se tivessemos assinados no começo, sem ficar arrumando briga, talvez seriamos ACF até hoje, mas fomos na onda dos advogados da ABRAPOST, e chegamos no fim do túnel, AGF em mim, estou ferrado.

    ResponderExcluir

O Blog é o seu canal de relacionamento para troca de informações e experiências sobre a trajetória de luta da rede franqueada.
Por isso, é muito importante que você continue expondo sua opinião neste espaço democrático.
E para que o Blog reflita fielmente os anseios e opiniões da rede estabelecemos critérios para a liberaçao de posts:
Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.
O objetivo é tornar este espaço aberto a todas as pessoas que desejam expor suas colocações com seriedade e para que essas opiniões possam ser motivo de interação por parte de outros membros. Ao mesmo tempo, evitar que mensagens com insultos, ofensas pessoais ou, ainda, com conteúdo de baixo calão sejam reproduzidas neste espaço.
Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog. Comentários que citam nomes de colegas franqueados só serão publicados com autorização dos mesmos. Todos os comentários serão analisados pela equipe de comunicação antes de serem publicados
e-mail para contato: acf.correios@gmail.com